Como escolher os KPIs do seu e-commerce?


Loja pronta, seu e-commerce está no ar, o meio de pagamento foi escolhido, você tem uma estratégia de divulgação diversificada, com diversos tipos de marketing digital, disparo de e-mail marketing e um marketing de conteúdo desenvolvido com excelentes técnicas de copywriting para a internet. Missão cumprida! Você, como empreendedor, está satisfeito com seu trabalho, mas como saber se seu negócio está indo no caminho certo?

A resposta talvez você até conheça: é preciso definir um plano de metas, alguns objetivos a atingir, e monitorar seus resultados para saber se está tudo indo no caminho certo. Para isso, você precisa definir os famosos KPIs, Key Performance Indicators, ou Indicadores Chave de Performance para seu e-commerce.

Nesta postagem, vamos mostrar para você o que são KPIs para e-commerce e como escolher os melhores para o seu negócio na internet e transformar o seu site em uma máquina de leads!

KPI para e-commerce: dicas para escolher os seus

Antes de começar a definir os KPIs para seu e-commerce, vamos entender melhor este conceito.

O que são KPIs?

Os KPIs, como dissemos, são indicadores chave de performance. Isto é, são métricas de seu negócio que você define para mensurar se ele está indo bem.Fácil falar, não tão simple de escolher.

Por isso, existem 5 características básicas que todo KPI deve ter. E elas estão resumidas neste acrônimo em inglês: SMART.

  • S = Specific: Específico, nada que seja amplo demais para ser medido adequadamente e que não indica claramente aonde se quer chegar. Datalhe com precisão exatamente o que será medido. Por exemplo, dizer que seu KPI vai ser o lucro, é muito amplo, mas dizer que quer aumentar a taxa de conversão em seu e-commerce, isso já é algo mais objetivo.
  • M = Measurable: Que pode ser medido com facilidade. De preferência, que se reflita em um número. Com auxílio de ferramentas de BI e analytics, será muito fácil medir a taxa de conversão de seu e-commerce, entre outros KPIs.
  • A = Attainable: Atingível, possível, realista. Essa história de mirar na lua para fazer todos darem 110% só funciona em empresas com uma forte cultura de inovação e alta performance e, na verdade, são planos estratégicos em longo prazo, a chamada visão futura do negócio. Por isso, não frustre sua equipe definindo KPI inatingíveis.
  • R = Relevant: Um KPI tem que ser relevante, que indique se você está no caminho certo, e deve ter relação direta com o valor que seus clientes dão ao seus produtos e serviços e, ao mesmo tempo, com a geração de lucro para seu negócio.
  • T = Time Based: Em quanto tempo vamos chegar lá? Digamos que você definiu como um de seus KPIs a taxa de conversão do site e quer que ela seja de 15%, isto é: de cada 100 clientes que entram no site, 15 fazem uma compra. Mas quando? No dia seguinte que abriu o e-commerce? No mês que vem? Ao final deste ano? Defina isso claramente.

Agora que você entendeu melhor o que são KPIs, veja quais são os mais empregados e como usá-los para aumentar as vendas pela internet.

KPIs de e-commerce mais usados

É importante lembrar que apesar destes serem os KPIs mais usados em e-commerce, isso não significa, necessariamente, que sejam os que você deve usar.Tudo vai depender de seus objetivos.

Por exemplo: digamos que seu e-commerce está começando e que você deseja usar um pop-up na tela para captar dados dos clientes para gerar leads para uma base de e-mail marketing.Nesse caso, além de conversão de vendas, você poderia definir a taxa de preenchimento desses pop-ups com um KPI interessante para seu negócio.

Existem aplicativos especializados neste tipo de ação de marketing digital, como o Hello Bar, o Sumoe o Thrive Leads.

Vamos à lista de KPIs mais usados em e-commerce:

Taxa de Conversão (de vendas):

Falamos um bocado sobre ela, mas não definimos claramente.Normalmente, em um e-commerce, a taxa de conversão será a divisão do número de visitantes de seu e-commerce pelo número de visitantes que compraram algo, vezes 100, para ficar em porcentagem.

Mas existem diversas outras taxas de conversão Muitas pessoas acreditam que conversão é sinônimo de “vender”. Na verdade, uma conversão pode ser qualquer ação executada pelo usuário em seu e-commerce, como pedir um orçamento ou preencher o formulário do pop-up, como comentamos acima.
Ticket médio de compra

Quanto em média cada um de seus clientes gasta em uma compra? Esse dado é importante para você fazer previsões de vendas e de resultados de suas ações de marketing digital.

Assim, você vai saber, por exemplo, quantos clientes precisam converter uma venda naquele mês para que seu site venda uma valor X, nesse período. Para calcular, basta dividir a receita pela quantidade de pedidos.

Abandono de carrinho

Quem nunca encheu um carrinho em um e-commerce e na hora de passar os dados do cartão, pensou 2 vezes e desistiu da compra?Isso se chama abandono de carrinho e saber qual o percentual desta ocorrência pode ajudar a descobrir se sua forma de pagamento não é a ideal, ou até mesmo se o sistema está lento, entre outros fatores que podem estar fazendo seus clientes desistirem da compra bem no finalzinho.

Estes são os 3 KPIs mais usados em um e-commerce, mas lembre-se: não basta medir, é preciso interpretar e tomar ações corretivas. Assim, depois de escolher quais destes KPIs vai usar em sua loja na internet, pense o que fazer se a conversão do site está baixa ou se os carrinhos estão sendo abandonados. Você pode ter que mudar o layout do site, criar um novo caminho de compra ou mudar a redação dos textos, ou ainda tirar novas fotos dos produtos, entre outras providências.

Estude tudo com calma, discuta com sua equipe e descubra a melhor maneira de fazer seu site converter cada vez mais.

Este post foi escrito pela equipe da We Do Logos, uma das primeiras plataformas brasileiras de crowdsourcing e o maior site de concorrência criativa da América Latina

Gustavo Mota

Gustavo Mota

Fundador e CEO em We Do Logos
Formado em design gráfico, pós-graduado em Marketing pela IBMEC, trabalha com internet há 14 anos. Possui larga experiência em soluções online e fundou uma das primeiras plataformas brasileiras de crowdsourcing, a We Do Logos.
Gustavo Mota

Comentários

comentário(s)